Na noite desta quarta-feira (6), o teatro da Caixa Cultural de Brasília foi palco da cerimônia de entrega do Prêmio ANA 2017, a maior premiação do Brasil sobre o tema “água”. Os vencedores das nove categorias ganharam o Troféu Prêmio ANA (Agência Nacional de Água), dois deles foram projetos do Rio Grande do Norte. Além disso, ganharam uma viagem para participar do 8º Fórum Mundial da Água, que vai acontecer em Brasília de 18 e 23 de março de 2018.

Esta será a primeira edição do maior evento do mundo sobre água no Hemisfério Sul. Durante o Fórum, os vencedores do Prêmio ANA 2017 poderão apresentar seus trabalhos para um público internacional. No caso das categorias de Imprensa, os vencedores terão oportunidade de cobrir o evento. Iniciativas de Minas Gerais, Paraíba, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul venceram respectivamente as categorias Empresas de Médio e de Grande Porte, Organizações Civis, Imprensa – TV e Imprensa – Rádio. Conheça aqui cada um dos trabalhos vencedores.

Entre os vencedores, há dois trabalhos realizados no Rio Grande do Norte. Na categoria Governo, o projeto Palmas para Santana concorreu com trabalhos finalistas de Caxias do Sul (RS) e Maceió (AL). Realizado pela Prefeitura de Santana do Seridó desde junho de 2014 no município, a iniciativa tem o objetivo de promover a utilização de água residuária para produção de forragem animal na forma de palma forrageira variedade orelha de elefante, suficiente para dar segurança forrageira ao rebanho local no período seco e acabar com o lançamento dessa água no leito dos rios da região, solucionando também um problema ambiental.

Na categoria Pesquisa e Inovação Tecnológica o projeto Produção Agrícola Familiar Utilizando Rejeito da Dessalinização da Água Salobra como Suporte Hídrico, da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (Ufersa), de Mossoró, concorreu na final do Prêmio ANA com projetos de Caratinga (MG) e de Campinas (SP).

Voltado para agricultores familiares, o trabalho busca avaliar a sustentabilidade econômica e socioambiental do uso agrícola do rejeito da dessalinização da água salobra em um sistema integrado de produção; sensibilizar as comunidades rurais sobre a preservação dos recursos hídricos; avaliar a viabilidade técnica de horta comunitária e do cultivo de tilápias produzidas em viveiros, utilizando rejeito da dessalinização como suporte. Conheça aqui cada um dos trabalhos vencedores.