A Agência Nacional de Águas – ANA acredita que o ano de 2018 foi continuidade da parceria que iniciou em 2015 e que hoje gera resultados positivos, tanto com o Comitê da Bacia Hidrográfica do Piancó-Piranhas-Açu (CBH PPA) quanto com os órgãos gestores dos estados do Rio Grande do Norte e da Paraíba. Presente na reunião da Diretoria Colegiada do CBH PPA, realizada no dia 05/11/2018, o superintende da agência, Humberto Gonçalves, fez questão de falar sobre os resultados positivos apresentados na bacia.

“2018 foi uma no de continuidade dos trabalhos iniciados em 2015, 2016 e 2017. Foram anos de muita crise, onde precisou-se, junto com o comitê, criar alternativas para garantir o abastecimento humano na bacia. Não houve maiores problemas na bacia por causa da atuação cirúrgica do comitê, como por exemplo, o trabalho de desobstrução do rio Piancó e Piranhas, a questão Curemas e de Mãe D’água e, acima de tudo, ao lado dos órgãos gestores dos dois estados: RN e PB. Sem dúvida, estamos vendo hoje o resultado de muito trabalho”, destacou Humberto.

De acordo com ele, “esse é um comitê que enfrenta as dificuldades. Gestão de recursos hídricos não se faz em gabinete, mas sim na bacia. Este comitê está presente na bacia e traz consigo os órgãos gestores para o campo, para o chão da bacia. Então, de certa forma, esse ano de 2018 foi um pouco mais tranquilo em virtude de um trabalho que já vinha sendo feito, sobretudo com o apoio da ANA a partir da mobilização do próprio comitê”.

Sobre o papel da ANA no processo de articulação da bacia, o superintendente destacou que: “é fundamental também mostrar o que a ANA tem desenvolvido junto ao comitê. Hoje nós dispomos de um escritório na bacia que já produziu um cadastro significativo e real com equipamentos distribuídos fazendo levantamentos de vazão e outras informações. Hoje, a bacia do Piancó-Piranhas-Açu tem informações que permitiram a gente atravessar todo esse período de uma forma mais coordenada e articulada”, finalizou ele.