“Eu diria que foi um ano exitoso para o comitê”, essa foi a declaração do presidente do Comitê da Bacia Hidrográfica do Piancó-Piranhas-Açu (CBH PPA), Paulo Varela. Ele fez uma avaliação positiva, considerou o período de dificuldades hídricas e traçou as principais metas para o trabalho do comitê em 2019. Além disso, fez questão de ressaltar a importância que tem a ANA para a execução das ações do comitê.

“Eu diria que foi um ano bastante exitoso, atravessamos um ano bastante difícil que culmina com quase sete anos de escassez hídrica. Mas aí o comitê exercitou as questões que são de sua competência, na resolução de conflitos (o caso da Barragem das Traíras é um exemplo), na busca por informações sobre a Transposição do Rio São Francisco, as dinâmicas nas reuniões sobre a alocação de água, entre outros exemplos”, disse Paulo Varela.

Sobre a parceria com a Agência Nacional de Águas – ANA, o presidente destacou que, “é fundamental ter a ANA conosco para que o comitê possa desenvolver todas as suas metas. Cito aqui a relação sistemática que nós temos, o que tem permitido a abertura e o fechamento de válvulas para que a gente possa ter realmente uma gestão eficiente e eficaz. Esse é apenas um exemplo de tantos outros nessa parceria com a Agência Nacional de Águas, uma grande parceira nossa”.

De acordo com Paulo, “mesmo dentro de um quadro difícil como o que estamos vivendo, a presença do comitê tem feito a diferença. Estamos conseguindo passar por todo esse ano garantindo o abastecimento consistente das comunidade e das nossas cidades”.

Metas para 2019

O presidente do CBH PPA também comentou sobre as perspectivas para o próximo ano. Segundo ele, o comitê vai permanecer com a mesma dinâmica nos últimos anos, dará seguimento ao que já está planejado e buscará alternativas para novos projetos.

“A expectativa é esperançosa para 2019. O comitê manterá toda essa sua sistemática de acompanhamento junto aos órgãos, vamos continuar acompanhando o projeto de segurança hídrica para o Seridó, vamos continuar com o projeto de Reúso de Água para os municípios que já foram contemplados, além de outros projetos para toda a bacia. Assim deve ser um comitê: ligado na sua base, nas pessoas, nas águas que correm diretamente na bacia e é dessa forma que vamos seguir”, finalizou Varela.