O Departamento Nacional de Obras contra as Secas – Dnocs vai interromper temporariamente a descarga do reservatório Armando Ribeiro Gonçalves – ARG para o rio Açu e para o canal do Pataxó entre os dias 13 a 17/11. O objetivo é possibilitar a execução de obras e serviços necessários ao acoplamento da tubulação de adução da Central Geradora Hidrelétrica – CGH à tubulação principal de descarga do reservatório. A manobra na comporta foi solicitada pela empresa PCH Armando Ribeiro e autorizada pelos órgãos de gestão de recursos hídricos. A execução da manobra será feita pelo Dnocs.

“Para que a população do baixo Açu não sinta muito essa diminuição na oferta da água, nós aumentamos a vazão no último domingo (08/11) na barragem Armando Ribeiro Gonçalves para se manter o abastecimento de Assú/RN, Mossoró/RN e da região do baixo Açu. Além disso, vamos abrir completamente o açude Memdubim para que continue esses usos da água. Aumentamos para que a população não fique desabastecida, já que vamos fechar a barragem durante esse período. A nossa ideia é que não haja desabastecimento nas cidades durante os dias da obra”, explicou Rafael Mendonça, engenheiro civil do Dnocs.

Após os serviços, as defluências voltam a normalidade na barragem Armando Ribeiro Gonçalves e no Canal do Pataxó. “Vamos passar mais uma semana descarregando água para que ocorra elevação no nível do rio Açu e depois volta tudo ao normal. Será liberado 07 m³/s pela barragem, 1,05 m³/s no Canal do Pataxó, e a central geradora hidrelétrica vai começar os procedimentos de condicionamento e depois a geração de energia”, destacou o engenheiro.

Além de barrar o rio Piranhas e ser a responsável pelo abastecimento de várias cidades do Rio Grande do Norte, a barragem Armando Ribeiro Gonçalves vai ter outra importante função: gerar energia elétrica para o Brasil. A instalação da central geradora de energia elétrica começou a ser feita em 2019 e será encerrada agora em novembro com o acoplamento da tubulação de adução, último passo para a geração de energia.

Com o aproveitamento da água que desce no rio Açu e as duas turbinas instaladas será possível gerar 4,7 MegaWatts, o que corresponde ao abastecimento elétrico de cinco mil residências. Ou seja, através da barragem, será viável levar energia para 20 mil pessoas. “A água que será usada para gerar energia é a mesma que já é usada para agricultura, pecuária, carcinocultura e para dessedentação animal. Não será usada água a mais do reservatório”, destacou Rafael Mendonça.

Sobre o destino dessa energia gerada pela barragem, o engenheiro do Dnocs explicou que será administrada pela Agência Nacional de Energia Elétrica – ANEEL, responsável pelo Sistema Interligado Nacional – SIN. “Essa energia gerada é levada até uma subestação e será vendida como um pacote de energia, assim como acontece em outros parques geradores de energia no Brasil”, finalizou.