Membros do Comitê da Bacia Hidrográfica dos rios Piancó-Piranhas-Açu (CBH PPA) acompanharam, nesta quarta-feira (08/06), a inspeção de rotina feita pela Agência Nacional de Água e Saneamento Básico – ANA na Barragem Armando Ribeiro Gonçalves, localizada no município de Itajá/RN. O Comitê esteve representado pelo senhor Raimundo Inácio da Silva, Primeiro Secretário, o senhor Ezequias Florêncio secretário de Meio Ambiente, Urbanismo e Recursos Hídricos do Município de Pendências/RN, e o senhor Rafael Mendonça, chefe do escritório do Dnocs de Assú/RN, ambos membros titulares do comitê. Já a ANA estava representada por Edgar Gaya Banks Machado e Francisco Romeiro, especialistas em regulação de Recursos Hídricos e Saneamento Básico.

A inspeção aconteceu nos taludes de montante e de jusante, nas réguas milimétricas de medição da barragem e na estrutura da Central Geradora Hidrelétrica – CCH Armando Ribeiro Gonçalves. Além disso, foi feita uma observação na área de vertedouro e coroamento da barragem e nas estruturas hidromecânicas de saída d’água, que são as válvulas dispersoras e borboletas.

“Depois de quase dois anos afastados dessas vistorias e encontros presenciais, por causa da pandemia, agora estamos voltando com as vistorias e inspeções. Temos algumas réguas que precisam ser substituídas e temos também as manutenções de rotina que ficam sob responsabilidade do empreendedor da barragem, que é o Dnocs. Tivemos uma boa recarga aqui na barragem no inverno de 2022, mas temos outros reservatórios da bacia que não teve o mesmo sucesso, por isso que vamos ter novas regras com as reuniões de alocação de água para o ciclo 2022-2023”, explicou Edgar Machado.

De acordo com o Dnocs, órgão responsável pelo reservatório potiguar, o trabalho de rotina já é feito pelo Dnocs e acompanhado rotineiramente pela ANA. “Por causa da chegada das águas do São Francisco, já tivemos uma intervenção recentemente e, no momento, a barragem está com sua estrutura bem conservada. Esse ano tivemos uma boa recarga com as chuvas e temos uma elevação na casa dos 63%, aproximadamente quatrocentos milhões de metros cúbicos de água. Esperamos que venha mais”, destacou Rafael Mendonça, chefe do escritório do Dnocs em Assú/RN.

Os membros do Comitê entendem que é fundamental a participação dos órgãos de gerenciamento hídrico nas vistorias dos reservatórios da bacia do Piancó-Piranhas-Açu. “Precisamos conhecer o funcionamento desses equipamento hídricos, isso nos impulsiona ainda mais a necessidade de compreender in loco todas essas atividades, sobretudo os procedimentos de regulação. Hoje o reservatório está com mais de 60% de água, o que dá uma maior segurança hídrica. O comitê está se inteirando e conhecendo toda a bacia, que tem esse potencial hídrico que se avoluma”, ressaltou Raimundo Inácio.

“Após uma pandemia que vivemos, estamos tendo a oportunidade, enquanto comitê, de visitar todos esses pontos, como a barragem Armando Ribeiro e alguns pontos de captações com seus volumes. Estamos acompanhando a ANA e o Dnocs para fortalecer o gerenciamento hídrico na bacia”, finalizou Ezequias Florêncio.